Buscar
  • Dra. Kelvia Feitosa

Psoríase: o que é, causas, sintomas e tratamento

A Psoríase é uma doença da pele relativamente comum, crônica e não contagiosa. É cíclica, ou seja, apresenta sintomas que desaparecem e reaparecem periodicamente. Inicia-se geralmente aos 20-30 anos , em ambos os sexos. Sua causa é desconhecida, mas se sabe que pode estar relacionada ao sistema imunológico, às interações com o meio ambiente e à suscetibilidade genética. É importante ressaltar: a doença não é contagiosa e o contato com pacientes não precisa ser evitado.

É frequente a associação de psoríase e artrite psoriática, doenças cardiometabólicas, como hipertensão, diabetes e obesidade, doenças gastrointestinais, diversos tipos de cânceres e distúrbios do humor. A patogênese das comorbidades em pacientes com psoríase permanece desconhecida. Entretanto, há hipóteses de que vias inflamatórias comuns, mediadores celulares e susceptibilidade genética estão implicados.


Torna-se essencial que o paciente com psoríase seja periodicamente investigado quanto aos níveis pressóricos e glicêmicos, avaliação dos índices de colesterol e triglicérides bem como monitorização do sistema cardiovascular.


Sintomas


Variam de paciente para paciente, conforme o tipo da doença, mas podem incluir:

* Manchas vermelhas com escamas secas esbranquiçadas ou prateadas;

* Pequenas manchas brancas ou escuras residuais pós lesões;

* Pele ressecada e rachada; às vezes, com sangramento;

* Coceira, queimação e dor;

* Unhas grossas,  sulcadas, descoladas e com depressões puntiformes;

* Inchaço e rigidez nas articulações.


Em casos de psoríase moderada pode haver apenas um desconforto por causa dos sintomas, mas nos casos mais graves, pode ser dolorosa e provocar alterações que impactam significativamente na qualidade de vida e na autoestima do paciente. Assim, o ideal é procurar tratamento o quanto antes. Além disso, alguns fatores podem aumentar as chances de uma pessoa adquirir a doença ou piorar o quadro clínico já existente, dentre eles:

* Histórico familiar – entre 30% e 40% dos pacientes de psoríase têm histórico familiar da doença.

* Estresse – pessoas com altos níveis de estresse possuem sistema imunológico debilitado.

* Obesidade – excesso de peso pode aumentar o risco de desenvolver um tipo de psoríase, a invertida.

* Tempo frio – pois a pele fica mais ressecada.

* Consumo de bebidas alcoólicas.

* Tabagismo: o cigarro não só aumenta as chances de desenvolver a doença, como também a gravidade da mesma quando se manifesta.

Há vários tipos de psoríase, e o dermatologista poderá identificar a doença, classificá-la e indicar a melhor opção terapêutica


Principais tipos de psoríase: psoríase em placas ou vulgar, ungueal, do couro cabeludo, gutata, invertida e artropática.


Tratamentos


Cada tipo e gravidade de psoríase podem responder melhor a um tipo diferente de tratamento (ou a uma combinação de terapias). O que funciona bem para uma pessoa não necessariamente funcionará para outra, dessa forma, o tratamento da psoríase é individualizado. Hoje, com as diversas opções terapêuticas disponíveis, já é possível viver com uma pele sem ou quase sem lesões, independentemente da gravidade da psoríase.


O tratamento é essencial para manter uma qualidade de vida satisfatória. Nos casos leves, hidratar a pele, aplicar medicamentos tópicos apenas na região das lesões e exposição diária ao sol, nos horários e tempo adequados e seguros, são suficientes para melhorar o quadro clínico e promover o desaparecimento dos sintomas.


Tipos de tratamento mais comuns:

* Tratamento tópico: medicamentos em cremes e pomadas, aplicados diretamente na pele. Podem ser usados em conjunto com outras terapias ou isoladamente, em casos de psoríase leve.

* Tratamentos sistêmicos: medicamentos em comprimidos ou injeções, geralmente indicados para pacientes com psoríase de moderada a grave e/ou com artrite psoriásica.

* Fototerapia: consiste na exposição da pele à luz ultravioleta de forma consistente e com supervisão médica. O tratamento precisa ser feito por profissionais especializados.


A psoríase pode ter um impacto significativo na qualidade de vida e na saúde mental. Assim, o acompanhamento psicológico é indicado em alguns casos. Ter hábitos de vida saudáveis, reduzir o estresse e evitar vícios como cigarro e etilismo e manter o corpo em forma são também essenciais para o bem-estar do paciente com psoríase.


Caso perceba qualquer um dos sintomas, procure o Dermatologista imediatamente.


Fonte: Sociedade Brasileira de Dermatologia


Dr. Kelvia Feitosa

Dermatologista

Título de Especialista pela SBD

CRM 15014

RQE 10694

Clínica do Coração Dr. Elder Gil

Serviço de Multiespecialidades

69 visualizações0 comentário